Finanças para Freelancers

balcony, person, standing

Sobre ser financeiramente independente…

Nunca ouvimos falar tanto de independência financeira como hoje!

E ainda bem. É sinal que algumas crenças limitadoras estão a ser quebradas e que vamos ter cada vez mais empreendedores.

Também é fruto das novas funcionalidades das redes sociais: aprendizagem e partilha!

Se nunca ouviste falar deste conceito de ser financeiramente independente, fica por aí e vamos por partes.

Primeiro: o que é isso de ser financeiramente independente?

Ser financeiramente independente é não precisar de trabalhar mais. Seres capaz de continuar a pagar o teu estilo de vida com o valor atual do teu património. Aqui no valor do teu património são normalmente considerados negócios próprios e investimentos. Estes dois devem estar trabalhados de forma a teres uma fonte de rendimento contínua.

Está passada a minha interpretação da definição. E eu sei, parece o sonho de qualquer um, não é?

Quem tem interesse pelo mundo das finanças pessoais, é possível que já tenha encontrado pessoas com o objetivo de atingir o FIRE. Esta sigla, em inglês, significa “Financial Independence, Retire Early”. Ou seja, pessoas que querem reformar-se de forma antecipada, deixando de trabalhar porque já atingiram a independência financeira.

Mas como???

Diz quem já atingiu o FIRE que o fez com muita capacidade de poupança e com investimento desses valores. Poupar é importante, claro, mas é investir que faz o teu dinheiro crescer e que te pode permitir chegar a este patamar.

Queres conhecer uma história com um exemplo de uma pessoa comum que atingiu o FIRE? Vê aqui.

Cada um terá o seu conceito mas, para nós, faz mais sentido um objetivo de liberdade financeira. Um misto de aproveitar o presente, poupar e investir para o futuro e ter liberdade para fazer escolhas no presente!

E essa liberdade não significa deixar de trabalhar amanhã e ter dinheiro para o resto da vida. 

Essa liberdade traduz-se nas coisas mais simples: ser capaz de me despedir, se não me identificar mais com a empresa ou rejeitar um cliente que não me faz feliz. Ser capaz de parar durante um mês e ir viajar. Mudar o rumo do meu negócio e explorar novos segmentos ou até começar um negócio novo completamente diferente do que fiz até hoje. Ter liberdade financeira dá-me a capacidade de mimar as pessoas que gosto quando elas precisam do meu tempo ou terminar uma relação que não me faz bem.

É ser capaz de escolher o que realmente é o melhor para mim e para os meus sem estar condicionado por uma condição financeira mais frágil.

É um meio termo. E como se chega lá?

Pode parecer óbvio mas o método é simples: ganhar mais, poupar e investir. Assim:

Ter várias fontes de rendimentos:

Dificilmente te vais sentir financeiramente independente se tiveres uma única fonte de rendimento. Manter um rendimento, mesmo que seja um negócio próprio, não vai nunca depender exclusivamente de ti. E, em determinadas alturas, podes ter que reajustar as velas. Se nesse período não tiveres outras fontes de rendimento, ficas mais exposto.

É logo aqui que entram os investimentos. Investir, em imóveis ou em ações de empresas, por exemplo, pode ser uma das formas de ter outro rendimento. E este rendimento pode ser mais ou menos passivo (depender mais ou menos do teu tempo).

Viver abaixo das nossas possibilidades:

Não significa passar mal, deixar de conviver ou poupar de forma extremista. Nada disso. Significa só não gastar porque tens e podes. Warren Buffett, um dos investidores mais sábios e mais ricos do mundo, mora na mesma casa que comprou aos 28 anos (tem 90 agora), não gasta dinheiro em carros e adora comer McDonald’s e beber Coca-Cola (empresas nas quais é acionista também).

Este passo é essencial. Só com um estilo de vida uns níveis abaixo das nossas possibilidades, é que sobra capital para investir e gerar mais rendimento.

Estes são os passos óbvios: ganhar mais, poupar e investir.

Quem desconfia e acha que a relva do vizinho é sempre mais verde do que a sua, vai sempre dizer que foi sorte, herança ou lotaria.

Mas esse fator, a sorte, muitas vezes é coisa para dar muito, muito trabalho mas uma coisa é certa: tem bem mais probabilidade de aparecer aos que tentam, experimentam, vão atrás, fazem diferente, procuram aprender e aplicar, pedem ajuda e põem em prática.

E, por isso mesmo, é só para alguns. 

Se precisas da nossa ajuda para estruturar o plano das tuas finanças pessoais ou das finanças do teu negócio, conhece o nosso acompanhamento aqui.